Mini aulas

Mini aula 1 – GERENCIAMENTO DA QUALIDADE

Nossa primeira mini aula é de Administração Geral – Gerenciamento da Qualidade.

Qualidade, em um contexto mais amplo, relaciona-se à entrega de um produto/serviço ao seu destinatário (cliente/usuário), a um preço que ele esteja disposto a pagar, atendendo à determinada especificação e funcionalidade com bom desempenho. Não raro, o conceito estará associado à diminuição de custos e eliminação de desperdícios, o que garantirá maior valor agregado por meio daquilo que se convencionou chamar de Total Quality Control (TQC), que busca garantir a qualidade de ponta a ponta: desde a escolha do fornecedor, perpassando os processos para a entrega do resultado, até a medição do grau de satisfação do cliente.

De modo específico, as normas ISO, de padrão internacional, estabelecem os seguintes princípios da qualidade:

1. FOCO NO CLIENTE
2. LIDERANÇA
3. ENVOLVIMENTO DAS PESSOAS
4. ABORDAGEM POR PROCESSOS
5. ABORDAGEM SISTÊMICA DA GESTÃO
6. MELHORIA CONTÍNUA
7. ABORDAGEM FACTUAL PARA TOMADA DE DECISÕES
8. RELAÇÕES MUTUAMENTE BENÉFICAS COM FORNECEDORES

Na verdade, o conceito de qualidade evolui por meio de eras, em que cada uma delas emprega-se um instrumento de controle da qualidade. A princípio, havia um incipiente CONTROLE POR INSPEÇÃO EM MASSA, que se realizava somente ao fim da produção, o que não eliminava o problema e tampouco aumentava a qualidade. Apenas descartava produtos defeituosos, o que gerava muito desperdício e refugo de produção. Com a indústria da guerra, entre a primeira e a segunda guerra mundial, houve um incremento da produção em termos quantitativos e qualitativos por meio da ERA DO CONTROLE ESTATÍSTICO da qualidade, feito por amostragem e com prevenção de problemas por meio da utilização de instrumentos matemáticos. Porém, o grande salto no conceito se dá no Japão pós-guerra e sua reconstrução, que na década de 60 faz surgir o CONTROLE DA QUALIDADE TOTAL mediante a contribuição de importantes gurus como Deming, Feigenbaum, Crosby, Juran e Ishikawa. A qualidade passa a ser verificada ao longo de toda a produção, incentiva-se a liderança e a participação, com responsabilidade de todos, desde o operário até a direção. Por fim, Garvin destaca a ERA DO CONTROLE ESTRATÉGICO DA QUALIDADE, defendendo que investimentos em qualidade diferenciam as organizações em um contexto competitivo.

 

DICA DE OURO!

Para se preparar bem para as questões, é preciso que seus estudos perpassassem a seguinte dinâmica e cadeia lógica de pensamento:

1. Conceitos, princípios e eras (instrumentos)
2. Teóricos ou gurus da qualidade e suas contribuições (foco em Deming e seus 14 princípios)
3. Ferramentas de qualidade (foco especial em Ishikawa e as 7 ferramentas de qualidade)
4. Abordagens de qualidade (TQC, Melhoria Contínua, Reengenharia, 5S, 6 Sigma, Lean Manufacturing, Just In Time)

Seguindo essa lógica, o conteúdo é aprendido de maneira orgânica e didática, com foco certeiro nas questões de concurso, em especial do CESPE.

Em alguns casos, algumas questões de qualidade são mescladas com os Modelos de Excelência da Gestão, tanto o modelo da Fundação Nacional da Qualidade quanto o modelo do Gespública, introduzido pelo Decreto 5378/2005.

Recomendo o seguinte artigo:

http://www.scielo.br/pdf/rae/v34n6/a06v34n6.pdf

Abraço forte, sucesso e bons estudos!

2 Comentários

  1. Camila

    9 de novembro de 2016 at 16:01

    Parabéns pelo site, Renato. Layout lindo e material de conteúdo, como você!

  2. Thais Crison

    15 de novembro de 2016 at 18:11

    Parabéns pelo site, professor!

Faça um Comentário